NOTÍCIAS

Presença de cuidador para aluno com deficiência pode se tornar obrigatória

01 de Abril de 2014
Por Blog Educação

 O artigo 58 da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional – LDB garante o acesso à educação especial na rede regular de ensino para alunos com deficiência e transtornos globais do desenvolvimento. Na prática, para que a inclusão aconteça, esses alunos precisam de serviços que estejam atentos às características específicas de cada deficiência, como nos casos em que é indispensável a presença de um cuidador, pessoa responsável por acompanhar individualmente o educando portador de deficiências para a realização de suas tarefas diárias. No Brasil, esse tipo de atendimento ainda não é obrigatório, entretanto, este mês, a Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania – CCJ da Câmara dos Deputados aprovou o Projeto de Lei 8014/10, de autoria do deputado Eduardo Barbosa (PSDB/MG), cujo objetivo é assegurar a atuação do cuidador na escola.

Segundo o presidente da Comissão do Direito da Pessoa com Deficiência da Ordem dos Advogados do Brasil – OAB, Tênio do Prado, o projeto de lei busca regulamentar o que já acontece nas escolas e tornar obrigatória a atuação do cuidador em instituições regulares de ensino, principalmente da rede pública. “Via de regra, a escola de ensino fundamental de educação especial conta com o cuidador, que é a pessoa que vai prestar assistência ao aluno, o que é feito de acordo com cada tipo de deficiência. Dependendo da peculiaridade e necessidade, a pessoa com deficiência na idade escolar não consegue ter uma vida autônoma sem depender de alguém que o auxilie para fazer as atividades básicas. Muitas vezes isso não acontece nem na fase adulta”, esclarece.

Prado explica que, normalmente, os pais ou algum familiar próximo cumprem o papel de cuidar integralmente da pessoa com deficiência, mas no ambiente escolar é preciso ter um profissional que atenda as necessidades diárias do aluno. “Esse projeto de lei chega para tentar igualar a vida da pessoa que tem deficiência com a que não tem, uma vez que ela já enfrenta inúmeros problemas. Por exemplo, para levar a criança ou o adolescente para a escola, a família encontra problemas com o transporte, a falta de acessibilidade física e arquitetônica do ambiente. Além disso, ainda tem a rejeição e descriminação porque as pessoas não estão acostumadas a conviver com quem tem necessidades específicas”.
 
A profissão de cuidador ainda não está regulamentada no país, mas o auxílio para tarefas básicas torna-se indispensável dependendo do tipo de deficiência. Há casos em que os próprios familiares buscam suprir essa necessidade de forma espontânea e informal para que o aluno não deixe de frequentar a escola. “O ideal é que o estado realmente legalize a profissão de cuidador e que esse projeto se torne lei com aplicação prática. Em muitos casos, estes profissionais vêm da área de saúde e precisam passar por uma especialização no que se refere à criança e ao tipo de necessidade. O cuidador deve ser capacitado para trabalhar com os quatro tipos de deficiência: física, intelectual, auditiva e visual”, afirma Prado.
 
A atuação do cuidador
 
Na Escola Municipal Professor Sérgio Oliveira Marques, localizada em Uberlândia (MG), os alunos portadores de deficiência que necessitam de auxílio para a realização de tarefas básicas como higienização, alimentação e locomoção contam com o apoio da cuidadora Vera Queiroz Medeiros. Diariamente, Medeiros, que também é educadora em escola de educação infantil, é responsável por cuidar de estudantes do ensino fundamental que possuem baixa visão, autismo e restrições de mobilidade. A oportunidade surgiu com a realização de um curso de capacitação oferecido pela Secretaria de Educação de Uberlândia, que busca preparar as escolas para a inclusão de alunos especiais.
 
Segundo Medeiros, quando a prefeitura começou a atender crianças com necessidades especiais nas escolas regulares, foi possível conciliar seus dois trabalhos. “Como cuidadora, a minha função é dar suporte para o Atendimento Educacional Especializado (AEE) que é feito da escola. Eu sou responsável por alimentar, higienizar a criança especial e ajudá-la no que for preciso. No curso de capacitação aprendemos como transportar o cadeirante, como tirar da cadeira e colocar no vaso, como utilizar o trocador e lidar com as diversas necessidades do aluno com deficiência. A especialização que nos oferece segurança e determinação para trabalhar, o que eu considero muito importante”.
 
Medeiros destaca que atuar como cuidadora é gratificante porque ela pode acompanhar o desenvolvimento da criança. “Como cuidadores, nós ficamos bem próximos dos alunos com deficiência e eles são muito carinhosos, só quem acompanha de perto sabe o que eles passam. No EMEI, eu trabalhei como cuidadora do ensino infantil durante dois anos e observava a expressão facial dos pequenos, mas eles ainda não falavam. Já com os maiores, eu posso conversar, eles dialogam com os outros alunos, com os profissionais na escola, e eu pude perceber que o processo de inclusão realmente dá certo e as crianças sentem necessidade de se desenvolver”.
 
Na cidade de Valinhos (SP), a Secretaria Municipal de Educação detectou que havia uma falha no processo de inclusão de alunos com deficiências, justamente pela falta de um profissional que pudesse auxiliá-los nas ações rotineiras. Para solucionar a questão, no início deste ano, a gestão municipal contratou, por meio de um processo licitatório, vinte cuidadores designados para atuar com estudantes que possuem necessidades mais severas. “Em tese, o professor não tem uma capacitação específica para o cuidar, ele possui a habilidade de ensinar, de formar. Então, observamos que o pedagogo e o professor especialista são partes essenciais para a formação do aluno, mas, em alguns casos, há a necessidade do cuidador para dar uma assistência no que não estiver ligado à área pedagógica”, explica o secretário da Educação de Valinhos, Danilo Sorroce.
 
Sorroce afirma que os alunos com necessidades especiais passam por uma avaliação, feita por profissionais da área da saúde, que considera o tipo e o nível da deficiência. A partir disso, é determinado se ele necessita, especificamente, do cuidador. “A nossa preocupação é fazer uma inclusão e não uma segregação, queremos incluir o estudante no contexto escolar. Também é preciso ter a sensibilidade para entender que há alunos que não precisam desse tipo de apoio, que se sentem motivados em conseguir superar a necessidade que eles têm de alguma maneira. Incluir é deixar que eles consigam se aperfeiçoar e encontrar, de acordo com sua condição física, o seu melhor rendimento”, salienta.

Blog Educação

 
 
Redes de defesa dos direitos das crianças assinam carta aberta contra retrocessos
Publicação assinada por diversas entidades com informações da Rede Ecpat Brasil foi divulgada pelo site da RNPI no último dia 9 de maio. - ver mais
OMEP/BR/MS realiza 27º Encontro Estadual de Educação Infantil neste mês de maio em Campo Grande-MS
Evento, que ocorre tradicionalmente no fim do primeiro semestre, vai reunir profissionais da educação da Primeira Infância na Capital. - ver mais
Congresso brasileiro da OMEP reúne mais de mil profissionais em Novo Hamburgo-RS
Evento foi organizado pela OMEP/BR/RS/NOVO HAMBURGO em parceria com a prefeitura da cidade gaúcha. - ver mais
Presidenta Dilma Rousseff sanciona Marco Legal da Primeira Infância
PL foi sancionada menos de um mês após o envio da carta elaborada pela RNPI e da série de manifestações nas redes sociais. . - ver mais
Rede Nacional Primeira Infância pede à Presidenta Dilma Rousseff que sancione integralmente o Marco Legal da Primeira Infância
O Marco Legal da Primeira Infância efetiva em âmbito federal diversos pontos contidos no Plano Nacional pela Primeira Infância, aprovado pelo Conanda, e que traz metas para serem atingidas até 2022, ano do Bicentenário da Independência do Brasil. É uma carta de compromisso do país para garantir o atendimento aos direitos da criança de até seis anos afirmados pela Constituição Federal, pelo Estatuto da Criança e do Adolescente e pelas leis aplicadas a educação, saúde, assistência social e diversidade.. - ver mais
Home
Prêmios
Depoimentos
Contato
Projetos
Institucional
Cursos
Eventos
Notícias
Artigos
Contato:
End: R. Barão de Ubá, 556
Bairro: Tiradentes
Cep: 79041-430
Cidade: Campo Grande-MS 
Tel: (67) 3341-1013 
Fax: (67) 3341-6972
OMEP/BRASIL © 2002 a 2014 - www.omep.org.br